Nômades 

20160324_131020.jpg

Mimados, distraídos, egoístas e inquietos, são estes alguns dos adjetivos classificados àqueles pertencentes a geração Y e Z.  Diferente daqueles antigos jovens que buscavam apenas uma vida rotineira, com horário de entrada e saída, os jovens da atualidade buscam viver da maneira que realmente gostam, mesmo que isso não atenda as expectativas dos antigos moldes de trabalho promissor. Salario fixos e horas contadas não são mais o sonho de consumo dessa nova geração. Ter nascido em meio a revolução tecnológica da virada do milênio foi, com certeza, um fator importante para a diferenciação entre as gerações antecessoras.

Buscamos flexibilidade, somos criativos e inovadores. Os padrões de trabalho até então impostos e aceitos não nos fascinam da maneira como acontecia com os babyboomers e a geração X. Ter liberdade para criar, inovar, descobrir novos meios, conhecer novos lugares e conviver de uma maneira mais amigável, são algumas das metas almejadas por nós, filhos da tecnologia. Não nos preocupamos com barreiras geográficas, estamos interligados e conectados com o mundo. Buscamos interatividade e novas experiencias, buscamos dinamismo, inovação e satisfação pessoal ao invés de padronização.

Tentar nos moldar aos modelos impostos e aceitos não é uma opção, enxergamos o mundo de maneira diferente. Somos críticos e questionadores, buscamos mais motivação e qualidade de vida. Para nós, autonomia é fundamental, fonte de inspiração e maior produtividade.

Com isso, em meio a globalização e a mobilidade digital, viver de maneira flexível, autônoma, e ter satisfação pessoal é o que caracteriza essa nova geração que, além de revolucionar o modo de comportamento e pensamento atual, inspira aqueles que buscam viver uma vida fora da caixa.

Anúncios

Pequena saga até a parte mais sul do sul da Ilha

Mais uma trilha para a conta! Um dos motivos pelo qual decidi morar em Floripa, além dos estudos, foi o fato de haver uma beleza natural incrível. Inúmeras praias, rios, lagoas e morros. O conjunto de tudo isso faz dessa ilha um lugar de uma beleza sem tamanho. Dentre tudo isso há a possibilidade de fazer uma das coisas que mais gosto na vida: explorar. A “ilha da magia” é o lugar ideal para quem curte colocar a mochila nas costas e praticar o bom e velho wanderlust.

Começo da trilha

Dessa vez a trilha escolhida foi a que dá acesso a praia de Naufragados. Essa é uma praia de cerca de 1 km de extensão, com bastante vegetação nativa e pouco habitada, até porque faz parte de uma reserva ecológica.

O acesso a trilha pode ser feito por ônibus, mas já vou deixar avisado que é uma pequena viagem, até porque a entrada da trilha fica há quase 35 km do Terminal de ônibus do centro e o transporte publico aqui é bem demorado (mas vale a pena). Durante o caminho há bons lugares para fazer pausas, comer e descansar. E ainda dá para aproveitar para ver algumas especies da fauna e flora local. No total são 40 minutos de caminhada, que é bastante compensada pela vista da Praia de Naufragados.

O lugar é bem bonito, com mar calmo, rochas expostas e uma areia com coloração  escura, diferente da comum. Quem faz essa trilha geralmente vai para ficar o dia todo, conhecer a praia, as formações rochosas e enfrentar mais uma pequena trilha até chegar a um ponto onde foi construído um Farol. De lá tem-se uma vista panorâmica da praia, da parte continental de Santa Catarina e também para o Oceano Atlântico.

No geral o trajeto é bem tranquilo e com pouca dificuldade, o cansativo mesmo é chegar lá de ônibus. Como o começo da trilha tem toda uma infraestrutura com estacionamento e lanchonete, quem tem carro pode comemorar.

20160827_131304.jpg

Não esqueça de levar alimentos leves e água. A trilha é curta e com pouco tempo, mas sempre cansa e dá fome. Também é recomendável que você leve kit de primeiros socorros, protetor solar e repelente, o de praxe. Não esqueça que você estará em meio a natureza, por isso leve algo onde seja possível colocar todo o seu lixo. Evite ao máximo interferir no espaço, ao passar pelo local você também se torna responsável pela preservação.

Como chegar:

Pegue um ônibus que sai da plataforma B, no TICEN e vai até o TIRIO. De lá pegue o ônibus para o bairro Caieira e desça no ponto final. No local há placas indicando o início da trilha.

Tarifa – 3,50 R$

  • A volta pode ser feita de barco, que custa por volta de 15R$ ou fazendo o caminho inverso da trilha.
f
Caminho da trilha com início no ponto final do ônibus que segue para Caieira.

7 Parques Nacionais que te farão sentir vontade de começar um mochilão pelo Brasil

Se você curte ter contato com a natureza e conhecer lugares incríveis e diferentes do convencional, esse post será de grande ajuda.
Sempre gostei muito de turismo ecológico, por isso estou sempre procurando a respeito de locais com essa pegada mais natural. E o melhor de tudo é que não é preciso nem sair do país para conhecer lugares assim, afinal de contas o Brasil é um dos lugares mais bonitos do mundo e rico em turismo ecológico. 😉

E por esse motivo trouxe hoje para vocês sete Parques Nacionais que já estão na minha wishlist de lugares para conhecer:

Serra do Cipó – Minas Gerais

serra-do-cipo-7.jpg

Fica pertinho de Belo Horizonte. O lugar é repleto de cachoeiras (to doida para ir nessa da foto) e trilhas. O lugar é tão lindo que vem atraindo cada vez mais turistas para a região.

Chapada dos Veadeiros – Goiás

janela_e_abismo__02.jpg

Um dos parques nacionais mais conhecidos do nosso país, a Chapada dos Veadeiros se localiza em Goias e é repleto de belezas naturais. Possui várias cachoeiras e paredões rochosos, além de muitas trilhas e animais nativos. O lugar também é muito procurado por praticantes de meditação e pessoas que buscam um contato maior consigo mesmo. Vale super uma visita!

Pantanal Matogrossense – Mato Grosso e Mato Grosso do Sul

Foto-Pantanal_03.jpg

Localizado entre o Mato Grosso e o Oeste do Mato Grosso do Sul, o Pantanal Matogrossense é uma das maiores planícies inundáveis do planeta, cobrindo cerca de 2% do território nacional. A melhor época para visitação é durante a seca, entre abril e setembro, pois é melhor para visitar os animais nativos, como jacarés, capivaras, tuiuiús e a onça pintada ❤

Serra dos Orgãos – Rio de Janeiro

Um dos principais pontos turísticos da Região Serrana do Rio, o Parque Nacional da Serra dos Órgãos é muito conhecido por ser um lugar de extrema natureza, com muitas trilhas, animais, plantas nativas, cachoeiras e vistas de tirar o folego. O local é muito conhecido também por abrigar a famosa formação geológica chamada de Dedo de Deus, que se assemelha muito a uma mão com o dedo indicador apontado para o céu.

Parque Nacional da Tijuca – Rio de Janeiro

275e76fe03d42e434330e4f3e96b12a9.jpg

Outro ponto muito conhecido no Rio, o Parque Nacional da Tijuca é onde se localiza o Cristo Redentor, mas suas belezas vão muito além disso. Se você curte muitas trilhas e paisagens incríveis lá é o lugar ideal. Além disso você também pode fazer outras atividades no local, como piqueniques, voo livre e escalda, e também conhecer a Pedra da Gaveia, a vista chinesa e o Morro do Corcovado.

Chapada Diamantina – Bahia

6fe73a6fbda412dc3e41ee92dbf4fe35.jpg

A Bahia é muito famosa por suas praias, como a Praia do Espelho e o Morro de São Paulo, mas suas belezas vão muito além disso. A Chapada Diamantina contém uma das mais belas paisagens do país. Recheada de Cânions, Vales, Grutas e Cachoeiras, o lugar é espetacular, um verdadeiro recanto geológico. Vale super a pena conhecer!

Serra da Bocaina – São Paulo e Rio de Janeiro

Recarregue-as-energias-na-tranquilidade-de-uma-fazenda-em-Bocaina-900x450.jpg

Localizada ao lado da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira, a Serra da Bocaina é um lugar e pouco conhecido pelos próprios brasileiros. Com paisagens estonteantes e natureza a perder de vista, o parque pode ser explorado de várias maneiras, de carro, a pé, de bicicleta… É um lugar de extrema preservação ambiental, sendo necessária a permissão do Ibama para a entrada de carros. Sem contar que é abrigo para diversos animais e plantas endêmicas.

Se você quiser saber mais a respeito de outros Parques Nacionais no Brasil é só acessar o site do Instituto Chico Mendes. Lá você encontra várias dicas de turismo ecológico no nosso país e também sobre diversos assuntos ambientais. 😉

Trilha da Lagoinha do Leste

Olá, pessoas! Hoje trouxe para o blog um assunto bem diferente dos quais costumo abordar aqui. Como vocês puderam perceber, o ritmo do blog caiu bastante, tanto pelo meu bloqueio criativo quanto pelo fato de eu ter mudado minha rotina de uma hora pra outra e ainda estar me adaptando. Faz um tempo que mudei de cidade e vim para Florianópolis estudar, por isso parei um pouco de escrever. Mas, como tudo na vida, isso teve suas vantagens. Pensei bem e decidi mudar um pouco o estilo de posts aqui. E para inaugurar bem essa nova categoria de assuntos do blog, em que eu pretendo mostrar um pouco mais de tudo que eu gosto nessa cidade, quero mostrar para vocês a Trilha da Lagoinha do Leste.

20160324_103623

A praia da Lagoinha do Leste é considerada uma das mais bonitas da cidade, porém, seu acesso não é muito fácil. É preciso caminhar cerca de duas horas para chegar nesse paraíso em plena cidade. Para chegar no começo da trilha é necessário parar no ponto final da praia da Armação e atravessar toda a praia do matadeiro. No final da praia há uma entrada a esquerda que indica o início da trilha. A trilha, em seu inicio, tem boa sinalização, mas é preciso ficar atento para não se perder.  Os primeiros 40 minutos tem um nível médio/alto de dificuldade, devido à subida íngreme e quantidade de pedras no local. Então se você algum problema respiratório é melhor ficar atento.

20160324_104127
Praia do Matadeiro

Depois desses 40 minutos em mata fechada, a caminhada passa a ser a céu aberto, algo ruim nos dias de muito calor, mas isso é compensado pelas paisagens incríveis durante o caminho.

20160324_114621

Aspectos da trilha:

  • Nível médio/alto.
  • Leva cerca de 3,5 horas do início ao fim (sem parar).
  • Sinalização média
  • Não possui estrutura para turistas

20160324_122110

É importante estar preparado para fazer essa trilha, já que a praia da lagoinha não possui estrutura para os turistas, apenas uma barraca simples com venda de lanches e bebidas. Então leve sua própria comida, roupas adequadas, câmera e o que mais você achar necessário.

Leve alimentos leves e não perecíveis, água ou isotônicos. Também é recomendável que você leve kit de primeiros socorros, protetor solar e repelente. Não esqueça que você estará em meio a natureza, por isso leve algo onde seja possível colocar todo o seu lixo. Evite ao máximo interferir no espaço, ao passar pelo local você também se torna responsável pela preservação.

20160324_123628

Nesse ponto, mostrado na foto acima, é possível ver uma caverna perto do mar, além de muitas formações geológicas. O lugar é lindo, ideal para tirar varias fotos, descansar (depois de quase 2 duas horas andando) e aproveitar a natureza.

20160324_131006
Lagoinha do Leste

Depois de tanto andar, a vista da chegada compensa, e muito, todo o esforço. Essa praia é quase intocada, cercada de morros e possui um visual incrível. Lá também é possível acampar, desde que você se responsabilize por trazer as barracas e alimentos, já que, como citei antes, a praia não tem estrutura para turistas.

Para quem vem de ônibus, tem a opção de pegar uma integração do terminal do centro até o terminal do Rio Tavares e de lá pegar um ônibus direto para a praia da armação e descer no ponto final.

Foto por: Uatapí

Se você gostou desse estilo de posts em que mostro um pouco mais da minha rotina e dos lugares que mais gosto em Floripa, deixa um cometário, curta o post e também compartilhe com os amigos. Isso faz com que o blog cresça ainda mais e que mais posts como esse sejam escritos ♥